Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 22 - sexta-feira, 5 de março de 2021

Governador autorizou obra de adutora complementar que vai trazer água do Rio de S. Francisco para M. Claros, numa extensão de 146 kms, entre Coração de Jesus e Ibiaí

Terça 19/01/21 - 17h55

Prefeitura de M. Claros (...) - O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, e o prefeito de Montes Claros, Humberto Souto, participaram da solenidade de lançamento da Ordem de Serviço autorizando o início das obras de extensão da adutora de captação de água do rio São Francisco. A obra significa o fim do desabastecimento de água em Montes Claros e a garantia de um bom futuro para a cidade. O evento, realizado na nova sede da Prefeitura de Montes Claros, contou com a participação de diversos prefeitos da região, além de deputados.
O prefeito Humberto Souto participou da solenidade por videoconferência e afirmou que, “dentro do novo contrato de concessão, exigimos que a Copasa fizesse algo para definir o fim do problema da falta de água. E a solução encontrada foi fazer, em um primeiro momento, a captação de água no Rio Pacuí, para amenizar momentaneamente o problema. E, agora, decretar o fim para os próximos 50 anos”.
O governador Romeu Zema afirmou que a construção da nova adutora é a preocupação do Estado com a maior cidade do Norte de Minas e municípios vizinhos. “Sabemos que as chuvas não são suficientes nessa região. E essa obra é para resolver os problemas de quem já sofreu com a falta de água nos últimos anos, pensando também em desenvolver ainda mais a região, porque uma empresa não vai querer ir para um local onde não tenha água”, afirmou.
O projeto contempla a construção de uma adutora de 146 quilômetros até o Velho Chico, no município de Ibiaí, complementando os 56 quilômetros de tubulação entre Montes Claros e o rio Pacuí. “A nova obra vai levar água captada no rio São Francisco, na cidade de Ibiaí, até Coração de Jesus, no rio Pacuí, onde a Copasa já tem tubulação para trazer o recurso até Montes Claros. O projeto visa acabar de vez com a falta de água na maior cidade do Norte de Minas, pelos próximos 50 anos”, observou Carlos Eduardo Tavares de Castro, diretor-presidente da Copasa.